Virei um cagão

Print Friendly, PDF & Email

Faz tempo que não dou as caras por aqui. Eu nem usava óculos da última vez que escrevi alguma coisa. Contabilizando o que publiquei desde 2008, já acabei com o papel aqui de casa duas vezes. Só que rascunhar ideias perdeu um pouco da graça pra mim. E a culpa é sua.

A culpa é sua porque me tirou o ambiente de liberdade que qualquer escritor deveria ter. É um porre ter que ficar pensando em consequências quando se expressa sentimentos. A rotulação de machista (e a louça, como vai?), homofóbico (mantendo seu pinto longe de mim, nada contra), liberal (eu pelo menos tenho coragem de dizer que homossexualidade é pecado e todo pecado afasta o homem de Deus)… cara! Eu fiquei cansado.

Um pouco dessa desgraça que a vida se tornou é culpa das redes sociais. Dei atenção demais a elas e hoje mal suporto o Instagram (pelo menos ele me dá sugestões de coisas que gosto de ver: marcenaria, motos e mulheres). O que alguns contam como vantagem, me pareceu uma grande perda de tempo.

Infelizmente não dá pra voltar atrás e o único jeito de ser livre novamente é não publicando nada. Se eu expressar sentimentos então, puta merda, chove gente querendo “ajudar”. Não quero sua ajuda. Se eu quisesse, pediria. Saudades de quando as pessoas eram nossas amigas sem que precisássemos solicitar sua presença. Solidão no meio da multidão é algo normal na vida de todo mundo.

Envelheci momentaneamente e vocês me pressionaram a esta posição. Mas tô dando meus pulos. Tentando ser menos do que dizem a meu respeito e mais do que o espelho me diz.

Quando o jogo virar, vou tocar o terror. Beijinho no ombro mesmo. Denunciarei o errado ainda em mais alta voz. E quando menos esperarem, explodirei o mundo de emoções (aquelas) que vocês fazem de tudo para evitar.

Podem esperar. Quietinhos. A hora vai chegar, capetas.

Você pode gostar...

5 Resultados

  1. Hermes disse:

    Me lembrou Renato Russo: “podem até maltratar meu coração, que meu espírito ninguém vai conseguir quebrar…”

  2. Tennyson disse:

    Deus te abençoe, gordo.

  3. Marcelo disse:

    Muito bom!

  4. Victor Lucas disse:

    Osso né Ari? Sei como é!

  5. Ana Paula França disse:

    Belíssimo texto!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *