Legado

Print Friendly

Quando pensava sobre a razão de existir, esta única palavra vinha à mente. Legado. Em outras palavras significa dedicar sua vida a algo que permanece através das gerações. Porém há uma crise no que se refere a legado e fé. Estas coisas aparentemente tornam-se contraditórias em certo momento da vida.

Ao olharmos para Deus, tudo que fazemos é insignificante. Todo esforço, toda construção, toda teologia… tudo é lixo. Deus usa o lixo talvez mais por piedade do que por relevância. Mulas continuam a falar para tentarem ensinar os profetas. Então sonhar em dedicar sua vida a algo, onde seu nome será lembrado, só é possível se seu trono for colocado “acima do Altíssimo”. Escrever sua história na humanidade é o oposto de escrevê-la na eternidade.

O conceito de “carne”, o qual a Escritura diz veementemente que devemos lutar contra, mais do que o tesão que acomete os jovens quando querem fazer algo contrário à vontade de Deus, é o esforço humano de rotular o outro dentro de paradigmas considerados seguros. Por isso querem o tempo todo saber qual é sua visão teológico-doutrinária. Por isso querem que você se preocupe com a dicotomia da política no que se refere a coerência. Assim como a política não deveria ser percebida com messianismos, da mesma maneira a teologia. Deus não tem compromisso com a percepção humana a respeito do divino… e nem da vida.

A dificuldade desta geração, anestesiada pelo volume de informações, de dizer “não quero nenhuma das opções que me foram oferecidas”, gerou esta quantidade imensurável de cristãos mancos. Gente que quer Deus, mas não quer vida comunitária. Quer Igreja, mas não quer sacrificar-se para ter comunhão com o outro. Quer justiça, mas desde que seja pelas mãos do partido político que defende. Quer igualdade, ainda que isto seja contraditório com a lógica de que Deus não nos fez iguais.

É gente demais querendo gozar com o pau dos outros. Mas na hora de por a mão no bolso e manifestar seu amor/misericórdia por aquele que é o único lugar onde Deus aceita devoção/adoração/sacrifício/oferta (ou seja, O OUTRO), estes preferem colocar suas percepções acima da história, da percepção de homens mais experientes que andaram com Deus e, até mesmo, da Escritura.

Não existe justiça sem Deus. E não existe fé sem vida comunitária. Se nossos esforços por um legado não forem no sentido de privilegiar O OUTRO, então não há nem sombra do Cristo em nós.

Você pode gostar...

1 Resultado

  1. Edson disse:

    Seus textos (além das cartas dos apóstolos) são os únicos capazes de me deixar na lona, num bom sentido.
    São os únicos que denunciam a verdade sombria de mim mesmo que eu aos vezes insisto em não enchergar. Deus abençoe seu trabalho, e que possa alcançar mais cristãos perdidos, como eu.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *