Síndrome de Estocolmo

A Síndrome de Estocolmo é um distúrbio psicológico que afeta vítimas de sequestro. Ela se dá quando, depois de um certo tempo de cativeiro, a vítima passa a nutrir admiração e cuidado pelo sequestrador. Esta “síndrome” foi catalogada quando em um sequestro ocorrido em 1973 na Suécia, as vítimas continuaram a defender seus agressores mesmo depois de terem ficado reféns durante quase uma semana. O mais interessante é que as vítimas que são afetadas por este tipo de distúrbio não percebem que algo está errado.

hugo-chavezDa mesma maneira, hoje vivemos uma época conturbada. Um mundo onde políticos fazem do pobre o refém de sua suposta generosidade. E assim vivemos um sequestro de dignidade. O pobre não encontra libertação. Apenas se conforma em aceitar a situação, comparando-a com desgraças maiores que possa ter vivido em outras épocas. É claro que os auxílios sociais são importantes, mas se não transformam a realidade, então são apenas mais do mesmo.

No que se refere à fé cristã, o panorama não é diferente. A cada dia pipocam pastores e Igrejas que se recusam a ensinar o Evangelho que realmente é composto por boas notícias. Pra que libertar as pessoas se podem ter controle sobre a vida (e sobre a grana) delas? E o povo continua sofrendo por falta de conhecimento.

Boa era a época em que as pessoas preferiam perder a vida na luta pela liberdade.

Tristes são os dias de hoje, onde as pessoas preferem perder a liberdade achando que podem ter vida.

Você pode gostar...

5 Resultados

  1. Pobre do homem que confia no homem….Agindo Deus quem impedirá….

  2. André disse:

    Muito bacana Ariovaldo. Sou sempre edificado com suas palavras. :) Continue firme!

  3. Clauberson Pinas disse:

    Acredito que estamos diante de um momento impar, o estourar da bolha da religião e as pessoas estão entendendo que existe vida de Deus fora do aquário. Muito bom devocional.

  4. Eu estou passando por essa crise,muito horrivel,sinto-me perdida.30 anos na igreja crista maranata

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.