Revolta enlatada

Antes dos movimentos de contracultura se iniciarem por volta da década de 30, o conceito de “jovem” simplesmente não existia. Isto significava que mesmo que houvesse uma revolta em alguns indivíduos, não havia expressão visível capaz de modificar a sociedade. Porém hoje vivemos o oposto disto. Uma verdadeira ditadura da juventude.

A contradição está no fato de, ao mesmo tempo que o jovem “determina” a maneira que o mundo é, são os velhos que determinam quais as revoltas enlatadas devem ser plantadas dentro dos cérebros vazios de nossa geração. É o famoso kit “Che Guevara”, onde influenciado pela opinião política de seus professores/mentores/pastores, seu cérebro é envenenado de uma vez por todas por toda sorte de pensamento supostamente revolucionário. E você transforma-se em um clone safado mal feito de quem plantou tal revolta.

É preciso discutir a pós-modernidade simplesmente pra fugir do “plano”. Por que acredite… tudo já foi pensado por seus líderes, de modo a garantir a manutenção do sistema. Ser um revolucionário nos moldes da geração passada, implica necessariamente em ser IGUAL a eles quando tornar-se velho. Ou seja, NADA MUDARÁ.

Por @ariovaldojr, publicado originalmente em Khronos.

Você pode gostar...

2 Resultados

  1. Kesinha disse:

    Fato: nada mudará.

    []’s

  2. Claudio disse:

    Olá! Estava buscando no google pelo Ariovaldo Ramos e achei o teu link também: entrei e gostei. No começo sentí que poderia ser mais um daqueles blogs malucos onde rebeldia gratuita associada a ignorância são a tônica única. Felizmente acho que me enganei e vou divulgar aquí por BH. Vai ser ótimo! Um abraço!

    Pr. Claudio Antonio
    Ig. Batista de Gileade
    Venda Nova

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.