Neo-liberalismo teológico

Sei que vou levar pedradas por causa deste texto, mas a vida é assim. Tenho pensado muito sobre o quão maligna a expressão “neo-liberal” se tornou devido a ações políticas e a crítica dos esquerdistas (radicais de uma esquerda que já não existe mais). Simplesmente adotamos o discurso de que NEO-LIBERAL é coisa do capeta. E quem ousa criticar tal linha de pensamento é taxado diretamente como inimigo do povo e de Deus.

Curiosamente a origem das teologias de “esquerda” do século XX são de origem naturalmente LIBERAL. Pensadores (principalmente alemães) influenciaram a maneira de enxergarmos o evangelho; e daí surgiram linhas de pensamento que defendem explicitamente que precisamos cuidar primeiro da fome do povo e, consequentemente, pregarmos a palavra de Deus em um segundo momento.

Pois afirmo que tudo isto soa como altamente contraditório pra mim. A PALAVRA deve ser priorizada; sendo seguida de ações que testifiquem sua veracidade. Mas perder tempo com pessoas que estão morrendo (e continuarão assim se não pregarmos a Cristo) por desconhecerem a verdade, é um desperdício. Pérolas aos porcos, lembra?

A ação social desacompanhada da pregação do evangelho é parte do que chamo de Teologia Neo-Liberal. Conceitos antigos que manipulam a verdade acerca de qual é o real interesse de Cristo pelo ser humano, em favor da comodidade “cristã” da prática da meia-caridade (dar tudo, menos o que a pessoa realmente precisa para se libertar).

Similarmente, os governos populistas da América Latina flertam com o conceito de Neo-liberalismo. Embora afirmem que querem melhorar a vida do pobre, são incapazes de proporcionar salvação aos necessitados. Pois a única maneira de garantir a manutenção do poder é perpetuando a pobreza. Sempre haverá um “pai dos pobres” enquanto houverem miseráveis. Neo-liberalismo tornou-se a flexibilização dos conceitos em favor de interesses que mudam de acordo com a classe social. Pois se os pobres tornam-se menos pobres, o preço disto jamais pode ser o enriquecimento proporcional dos mais ricos. O inimigo não é a pobreza, mas a desigualdade social.

No campo espiritual temos a mesma situação. O inimigo não é a necessidade. Pois como o próprio Cristo afirmou, sempre teríamos os pobres conosco. Nosso alvo deve ser a real libertação dos tais de toda opressão espiritual. Devemos discipular pessoas para serem mestres e não eternos consumidores de nossa conveniente teologia.

Temos que ensinar as pessoas a pescarem. Enfatizando que cada um deve aprender a se livrar dos fardos que atrapalham a caminhada com Cristo. Precisamos de uma pregação sincera e desinteressada; capaz de alcançar definitivamente o coração do homens perdido e exausto.

Você pode gostar...

3 Resultados

  1. Jéssica disse:

    Concordo totalmente ;D

  2. Adenilson Metanóia disse:

    E se eu usar a assistência social como método de evangelismo? As pessoas que andavam com Cristo o seguiam apenas pelos milagres ou também pela comida e educação grátis?

  3. Marcelo disse:

    Caro Ariosvaldo ! Concordo. Penso que a flexibilização do evangelismo, tem levado ao enfraquecimento no aspecto espiritual. A neo liberação teológica estar perdendo o foco do verdadeiro cristianismo. Muito comodo para alguns que se desculpam de suas mazelas emocionais, sentimentais e espirituais , protegendo -se em um banco de igreja , só sendo alimentado, como se tivesse em frente de uma televisão, ou seja, só escuto o que agrada. Desvirtuando completamente da verdadeira palavra. Infelizmente com este modismo gospel , estamos sendo levado a Gomorra, se lembra ! aonde estão os justos? encontrem um só para sermos poupados. Do outro lado, o faminto pergunto ! aonde estão os verdadeiros adoradores de Cristo? Aqueles que o adorem em espirito e verdade. Grand abraço.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.