John Piper também erra

Para tentar minimizar o número de pessoas que irão me xingar, gostaria de começar este texto afirmando que também sou admirador das palavras do velho Piper. E também considero importante enfatizar que não estou tentando acrescentar detalhes em sua pregação às custas de me promover. Mas talvez uma das coisas mais difíceis de se encontrar na atualidade, são pessoas que pensem e que sejam críticas sem descartar outros por possuírem opiniões divergentes das suas próprias. Então, por favor, tenha paciência antes de xingar minha mãe.

Citei John Piper, mas poderia listar vários outros nomes que são altamente inspiradores em minha vida. E que, ao não concordar 100% com nenhum deles, me alegro por saber que se tratam de seres humanos, restritos como todos nós às opiniões e experiências da vida.

Piper afirma no vídeo “Não desperdice seu púlpito” que os modismos dos pregadores contemporâneos deve ser deixado de lado em favor da pregação do evangelho puro e simples. E obviamente concordo com sua afirmação. Porém, o próprio Piper se enquadra no grupo dos que o fazem? Por um acaso, as formas e liturgias da pregação da palavra na Igreja Batista Bethlehem são essencialmente o evangelho de Cristo?

Todas as igrejas, com raríssimas excessões, incorporam o modelo de escola grega, utilizando do púlpito, das cadeiras e dos mecanismos acústicos adequados a uma exposição unilateral. A grande pergunta então é: foi Jesus que estabeleceu este modelo?

Mark Driscoll, de certa forma do lado oposto ao de Piper, também é um dos homens que admiro e ao mesmo tempo não engulo completamente. Ele me parece um conservador ao estilo do Piper, travestido de pós-moderno, com intenções explícitas de atingir a juventude de seu país. Por exemplo, sua opinião sobre o livro “A Cabana”, soa como altamente radical e intolerante. Através de suas observações, temos a sensação de que há pouca aceitação àqueles que enxergam Deus ligeiramente diferente.

O que une a todos os pregadores do Reino é a essência da mensagem da salvação, única e explicitamente representada pela figura do Deus encarnado sob o nome de Cristo Jesus. Porém devemos compreender que, toda crítica aos modelos de exposição das verdades contidas na Bíblia, é quase sempre exagerada. Jesus falava sobre árvores, sementes… sobre plantas das mais diversas espécies… sobre filhos estúpidos, sobre tesouros e sobre a relação empregado/patrão. Em cada pequeno detalhe e, através das mais diferentes técnicas e momentos, Ele comunicava as verdades eternas.

Por isso, concentre-se na mensagem de Piper, na ousadia de Driscoll… mas principalmente no evangelho de Jesus. Conte histórias que tenham a ver com a sua realidade; e que mexam com a vida das pessoas segundo aquilo que Deus já está fazendo e, muitas vezes, elas sequer são capazes de perceber. Lembre-se que o “seu púlpito” não é um lugar, mas uma atitude.

E nunca se esqueça que, o próprio Jesus defendeu a legitimidade daquele que não era “do grupo” dos discípulos a promulgar o evangelho. Por quem não é contra nós, é por nós.

Amo estes caras… por que são pessoas comuns, como todos nós.
Amo o Piper, mesmo o considerando conservador demais.
Amo o Driscoll, mesmo crendo que ele precisava ser ousado não apenas na aparência.

Estamos todos no mesmo barco.

Você pode gostar...

4 Resultados

  1. Markeetoo disse:

    Taí uma coisa que é rara nesse nosso meio…
    dificilmente encontro alguem que não descarte o conjunto da obra de alguem porque não concorda com 10% do que a pessoa fala. Já tive altas discussões sobre isso. Gostei do texto.
    Eu particularmente não gosto muito da maioria das coisas que jah vi do Driscoll, mas jah vi coisas boas, então devo reconhecer isso.
    É o velho partidarismo batendo nas portas da igreja moderna… parece que precisamos de alguem pra bajular, pra ser tietes, e isso irrita.
    Parabens pelo texto!

  2. Pr. Menga disse:

    Prezado Ariovaldo,

    O texto é próprio para os dias de hoje, ou qualquer dia.
    Mas não concordo com sua análise pelo vídeo de John Piper, “Não desperdice seu púlpito”. Quando John Piper diz: “os modismos dos pregadores contemporâneos deve ser deixado de lado em favor da pregação do evangelho puro e simples.”, certamente ele não está falando de modelos, formas e liturgias, etc. Pelo contexto do vídeo, se não estou enganado, ele está focando o CONTEÚDO da mensagem dada pelos pregadores, e não a forma.

    O exemplo disso, é o que Mark Driscoll fala sobre o livro A Cabana. Ele, sem se preocupar com a marca do radical, ele execra o livro, por seu conteúdo antibíblico.

    Concordo que temos que cuidar de colocar pessoas em uma posição acima da humanidade de cada um. Mas insisto que, toda a palavra que sai da boca do pregador, deve ser julgada pela Bíblia. Aliás, o próprio Apóstolo Paulo, já insistiu nisso.

    Um forte abraço,
    Pr. Menga

  3. Paulo Cruz disse:

    Concordo plenamente com o que John Piper diz no vídeo “Não despedice o seu púlpito”. Aceitei o evangelho somente em 2000, e, apesar de ser novato na fé, tenho visto o que JP denuncia nas igrejas. Pastores utilizam-se de livros, muitos deles blasfêmicos, para fazer a pregação no púlpito; outros só fazem contar estorinhas engraçadas, tentando divertir o público, entre tantas outras coisas mais. De fato, tem razão JP: Devemos ficar somente com a Palavra de Deus e com Ele. Se tal não for suficiente, podemos abandonar a Igreja, pois não faz sentido continuarmos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.