Pensamentos de 1987

Durante algum dia do ano letivo em 1987, quando eu cursava a segunda série do primeiro grau, numa época em que as crianças ainda faziam provas de verdade e eram reprovadas caso não obtivessem notas mínimas, participei de uma discussão sobre alguma coisa do gênero gramatical. Então formulei uma frase de exemplo:

– Eu não sou feliz.

Imediatamente fui questionado pela professora, que era mestra em jogar apagadores na cabeça dos alunos bagunceiros (acredite… naquela época os professores faziam isso… e você ainda apanhava em casa depois). Ela perguntou se eu realmente achava que não era feliz. Sem me dar conta do quanto os adultos se preocupam com a felicidade das crianças, insisti que realmente eu não era feliz.

Os meses seguintes foram cheios de questionamentos por parte de meus pais, tentando entender por que afinal eu havia dito na escola que não era feliz. Depois de perceberem que eu não possuía uma resposta coerente, fui moralmente censurado, sendo obrigado a guardar para mim mesmo estes questionamentos mais íntimos.

Isto se repetiu diversas vezes em minha vida. Quando um problema surgia, bastava alguém me dar um tranco e dizer “ah! pare de reclamar… você não tem problema nenhum!”. Me acostumei tanto a isto, que me tornei indiferente às opiniões alheias (principalmente daqueles que eram de minha própria casa).

De repente estas idéias voltam à minha mente, exatos 12 anos depois. Reafirmo que nunca fui e continuo não sendo feliz. Mas isto não é algo desesperador como muitos podem pensar. A felicidade na verdade é um caminho e não um lugar. Tenho vivivo de passagem pela felicidade todos os dias, porém a tristeza inerente ao inconformismo de meu espírito é que me faz continuar caminhando. Combatendo o ódio, vou vivendo o amor. Assim venço dia a dia toda apatia que faz de um homem um fracassado. Vencer é continuar.

Das muitas coisas que eu gostaria de poder ter dito a mim mesmo na infância (caso fosse possível mandar recados pro passado), eu enfatizaria estas cinco:

  1. Você não é igual aos demais. Portanto não tente ser. Não vale a pena.
  2. Se o mundo inteiro discorda de sua opinião, então você está no caminho certo.
  3. Não se preocupe com o futuro. Ele naturalmente dará certo.
  4. Não perca uma única noite de sono por causa de seus problemas. Eles não são tão importantes assim.
  5. Você irá encontrar muitas pessoas que querem aprender a olhar o mundo com outros olhos. Portanto continue a andar firme no caminho. Quando menos perceber terá conseguido inspirar muitos.

Você pode gostar...

3 Resultados

  1. Rod disse:

    Nada como “olhar pra trás” (essa frase é perigosa no meio dos crentes) as vezes pra ver que realmente a vida passou e as coisas mudaram (ou não), neh!?

    Massa o texto.

  2. Rod disse:

    E eu ainda coloco o endereço do meu blog errado. Oh leseira! uhauauhauha

  3. Somos “adestrados” a viver desse modo desde pequenos, a nunca olhar pra tras com medod o que possa acontecer no futuro!

    “A felicidade na verdade é um caminho e não um lugar.”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.