Onde o IRC, a Igreja e meu tênis se encontram

O mundo é um laboratório onde sou pesquisador e cobaia ao mesmo tempo.

Sem a pretensão de, através de análises sistemáticas, pensarmos que somos capazes de entender como a vida e as pessoas “funcionam”, ainda sim se torna indispensável observarmos atentamente as relações interpessoais (ou ausência delas) que tornam aqueles que estão ao nosso redor felizes ou amargos.

Curiosamente a Bíblia não se preocupa muito com o conceito abstrato de felicidade. Assim como também não se preocupa em provar a existência de Deus. Soa como se a não existência de Deus, assim como a ausência da felicidade em um ser humano fossem coisas absolutamente impossíveis.

Aprendi com os anos a experimentar situações. Perceber como as pessoas reagem aos mínimos gestos. O estranho disto é que eu também sou parte da mesma experiência. Situações  e pessoas mexem comigo. Durante os 10 anos que gastei de minha vida brincando no finado IRC (#uberlandia, Rede Brasnet), aprendi a manipular pessoas. Soa como quase inacreditável o incontável número de vezes em que eu e meus amigos utilizamos de situações e palavras ardilosamente arquitetadas. E o resultado destas ações trazia uma sensação de poder quase que ilimitado.

Neste laboratório chamado VIDA, fui confrontado por Deus no que se refere ao trato com pessoas. Há alguns anos atrás, a direção clara para minha vida me foi entregue em um breve diálogo:

– Sabe todas aquelas coisas que você descobriu sobre como manipular pessoas e situações?
– Sei.
– Pois estas coisas são exatamente o oposto de tudo que você deverá fazer quando tratar dos interesses da minha Igreja. Estes 10 anos de sua vida foram o intensivo de como “não fazer”. Mas agora você irá fazer o contrário. Se alguém tem que perder, que seja você.

Gostaria de poder afirmar que este diálogo se deu com um homem. Mas desta vez não foi.

Desde então me tornei um pesquisador/cobaia que entende seu papel dentro deste experimento. E tenho sido surpreendido dia após dia com o poder do amor. Ações desinteressadas que revelam um amor quase líquido. Claro ao ponto de ser transparente; fluído numa consistência intermediária entre o mel e a água.

Ontem a Marina me desafiou a sair de casa com um pé de cada par de tênis. Esta idéia já havia me passado pela cabeça antes… exatamente no ano de 1990. Agora, 19 anos depois, sou confrontado com esta tentativa de provar um conceito. Obviamente não fugi do desafio.

Ninguém. Absolutamente ninguém irá reparar em você, assim como igualmente você não gasta seu tempo reparando nos demais. Nossos olhos procuram o esdrúxulo. Buscamos as cabeças que usam chapéus de melancia. Enxergamos apenas aquilo que queremos enxergar.

Ao contrário de quando o número de pessoas era realmente importante, agora me sinto constrangido a reparar nos indivíduos. Olhando atentamente, dá pra perceber onde está sua angústia. Mas também dá pra lembrar as pessoas de onde está aprisionada a verdadeira felicidade.

No sermão do monte, Jesus afirma coisas fáceis de se entender e difíceis de se aceitar. Diz que feliz mesmo são os pobres de espírito, os que tem fome e sede de justiça, os mansos. Exatamente o oposto de tudo que naturalmente representa uma pessoa feliz em nosso conceito humano. Como pode alguém ser feliz se está na posição visivelmente mais desgraçada possível? Pobreza de espírito é reconhecer sua própria miséria. Fome e sede de justiça significa que vive a injustiça no seu auge. O manso é aquele que voluntariamente perde para que outros vençam.

A felicidade é sutil como o grão de mostarda. Está bem próxima, mas é tão pequena, que se não for intencionalmente observada, será desprezada. Ela não está nos grandes feitos e nem nas coisas que podemos adquirir. Não está no dinheiro, no poder ou na influência que exercemos sobre outras pessoas.

A diferença entre viver a felicidade real e enganar-se, é sutil… mas perceptível àqueles que estão cansados de aceitar que as coisas são do jeito que são.

Você pode gostar...

4 Resultados

  1. Markeetoo disse:

    muito boa reflexão.
    abraço ariovaldo!

  2. Luiz Fernando Lóes disse:

    Kra muito fera este seu post….vejo como é real este assunto sobre manipulação, falsa felicidade e outros.

    Abraço!
    Luiz

  3. Marina disse:

    eeeeeeeeeee meu bem, como foi legal o meu desafio, não é??? mas vc deveria ter enfatizado mais que vc ficou o dia inteirinho na rua, foi em lojas e bancos, saiu a pé e de moto e de carro, e ninguém viu que vc tava com tenis diferentes, hehehehe :) te amo!!!

  4. Nikita disse:

    Oi!
    Li seu post e fiquei impressionada com o que você falou sobre manipulação de pessoas no IRC. Como você identificou isso?

    Ariovaldo Jr > Eu era o maior manipulador de todos. Fazia as massas reagirem conforme os estímulos que criávamos. Era muito cômodo fazer pessoas frequentarem os ambientes/festas que nos agradavam. O status disso tudo, embora pareça (e de fato seja) irrelevante, sempre te dá uma sensação de poder e dá pra lucrar algumas coisa. Ridículo, mas eu e alguns amigos fomos muito bons nisso.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.