Liturgia dos infernos

Curiosamente, a palavra liturgia representava originalmente no ambiente cristão, tudo aquilo que deveria ser evitado. Mas nem mesmo a reforma protestante conseguiu abolir as formas litúrgicas. Na verdade, apenas remendamos aquilo que nos incomodava.

Em pleno século XXI, ainda sofremos em demasia por conta das práticas litúrgicas. Não digo apenas as formas e aparências dos cultos, mas a maneira de lidar com as pessoas em todas as estruturas e reuniões.

Ficar parado por duas horas ouvindo alguém falar, exige do locutor que, no mínimo, desenvolva um assunto interessante e de forma interessante. Tenho séria dificuldade em me concentrar em algo CHATO. Na maioria das vezes concordo com os assuntos a serem tratados. Porém suportar calado longos períodos “da mesma coisa de sempre”, mata qualquer um. Como seremos capazes de inspirar outros a participarem de reuniões em que nós mesmos não acreditamos?

Pra ser sincero, não acho que os compromissos que possuo na vida me sufocam. A realidade é que ainda estou morrendo de tédio. Suportaria cem vezes mais do mesmo, caso acreditasse. Não é o número de reuniões que me cansa, mas seu conteúdo. Compromisso com formas litúrgicas desinteressantes são o pior tipo de fardo que um homem pode ser obrigado a carregar. E falando de fardo, o texto bíblico que me vem à mente é:

“Amarram fardos pesados e os põem nas costas dos outros, mas eles mesmos não os ajudam, nem ao menos com um dedo, a carregar esses fardos. Tudo o que eles fazem é para serem vistos pelos outros. Vejam como são grandes os trechos das Escrituras Sagradas que eles copiam e amarram na testa e nos braços! E olhem os pingentes grandes das suas capas! Eles preferem os melhores lugares nos banquetes e os lugares de honra nas sinagogas. Gostam de ser cumprimentados com respeito nas praças e de ser chamados de “mestre”. Porém vocês não devem ser chamados de “mestre”, pois todos vocês são membros de uma mesma família e têm somente um Mestre.” (Mateus 23:4-8)

Já imaginou uma comunidade onde o vínculo principal é o amor?

Quem sabe com um pouco deste tempero especial, seja possível que haja entre todos uma compreensão clara da importância de estarem juntos.

Você pode gostar...

4 Resultados

  1. Pois é Ari, a única coisa que a cultura liturgica proporciona de bom, é nosso riso, por ver que o nosso comportamento, pode ser mesmo comparado com o da ovelha, no seu sentido mais primitivo! hahaha!

  2. Gabriel disse:

    Pode crer concordo, ainda mais que vc está do lado daqueles que pregam, ou seja uma palavra pra você mesmo. As vezes pregamos pra nós mesmos, isso eh bom, nos amadurece. E em relação a amor, Deus coloca as pessaso toscas, pecadoras, impuras, problemáticas pra exercitar nosso amor, é quando o pecado do outro não nos separa. Aee fii amo vc cara, aprendi muita coisa massa com vc e se hoje “faço algumas coisas sozinhos” é pq cresci e estou fazendo coisas com outras pessoas ensinando outros, mas estou ai para colaborar com seu ministério. abraço

  3. Cerestino disse:

    Para saber mais do assunto leiam: Cristianismo Pagão de Frank Viola!

    kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

  4. Edson disse:

    Esse é um dos motivos que não consigo me interessar por nenhuma denominção, as que poderia ir são muito longe como as Igrejas do sr e do ricardo gondim

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.