Colírio espiritual – enxergando Deus até no banheiro

Já dizia o velho Raul Seixas: “quem não tem colírio usa óculos escuros”. Naturalmente este colírio a que ele se refere é o que tira a vermelhidão dos olhos depois de consumir um baseado. E ele afirma que se não possui o remédio para curar os olhos, então os oculta com um óculos. Faz sentido pra você?

Participei em abril de 2009 da Convenção Jovem do ministério Sal da Terra. Juro que viajei até Goiânia sem grandes expectativas sobre o evento, devido a ele ser promovido quase que totalmente por jovens. Imaginei que havia a possibilidade de tudo ser um pouco tedioso. Dois dias antes do evento, recebi um e-mail com os assuntos das mesas de discussão, onde solicitavam que mais pessoas se voluntariassem como moderadores. Na intenção de encontrar algum tema que me interessasse, fui correndo os olhos por todos os temas. Me deu até preguiça quando vi temas relacionados a Internet e mídia. Gosto demais do assunto, trabalho diretamente com estas duas coisas… mas estou com o saco cheio de discutir este tipo de assunto com pessoas que possuem uma visão excessivamente obtusa. Logo em seguida vi outros temas mais interessantes, como Pioneirismo e Paixão pelas Escrituras. Só considerei ser importante ressalvar que “paixão” significa sofrimento. A menos que estejam afirmando que ler a Bíblia dói, o uso desta palavra soou meio estranho. Paixão é um eufemismo a amor quando significa “amor que tudo sofre, tudo espera, tudo suporta”.

Então vi um tema que me despertou interesse. Era sobre Homossexualismo. E curiosamente meu nome já estava inscrito como moderador da mesa. Uau! Alguém me inscreveu! Feliz e satisfeito com a possibilidade de participar de algo diferente, me preparei o suficiente nas 24 horas que antecederam o evento. Ficou fácil graças aos trabalhos que temos realizado nos últimos dois anos.

Chegando em Goiânia, sofremos um pouco para encontrar a igreja. Ainda em casa, fui no Google e digitei “sal da terra goiânia”. A primeira opção era exatamente a localização no Google Maps. Imprimi e depois de chegar exatamente ao local onde o mapa apontava, descobri que o endereço não estava atualizado. A igreja havia mudado há alguns anos. Mas como corrigir um endereço no Google Maps???

Meu amigo Élder de Moura nos recebeu muito bem. Fantástico o apartamento que ele divide com outros tantos missionários. Dormi confortavelmente no colchão inflável que levei, disposto em um canto da sala. Perguntei ao Élder quem me inscreveu no tema Homossexualismo. Adivinha? Foi sugestão do próprio Élder. Só me restou agradecer pela oportunidade.

Nos dois dias do evento, as mesas de discussão foram incrivelmente produtivas. Deu até orgulho dos dois parágrafos produzidos como contribuição da mesa à carta de conclusão que o evento se propôs publicar.

Graças à programação incrivelmente leve, houve muito tempo para conversar com todo tipo de pessoas. E naturalmente me sinto atraído a conversar com pessoas estranhas. Mais uma vez citando Raul, “só pra variar”. Então acabei repetindo os mesmos assuntos diversas vezes, em ocasiões diferentes. Mas reparei um padrão nas conversas. Me deparei com muitas pessoas que pareciam não fazer parte da mesma igreja que eu. Só que isto não faz o menor sentido.

Como é possível que pessoas vivam dentro de um mesmo ambiente, passem pelos mesmos problemas, usufruam dos mesmos benefícios, mas mesmo assim um se sente incrivelmente desanimado enquanto outro é capaz de viver intensamente cada momento? Percebi que invariavelmente os sentimentos das pessoas não estão ligados às pressões do ambiente. Mas parece que cada um reage de modo diferente, mesmo diante de circunstâncias absolutamente idênticas.

Pois o conselho que recomendei a muitas destas pessoas, claramente diagnosticadas por mim como portadores de algum distúrbio de visão, foi que procurassem desesperadamente pelo colírio que traria cura para seus olhos. Um tal de colírio espiritual. Se é que isto existe. Nesta hora, usar óculos escuros não faz sentido! Não compensa esconder seus problemas oculares.

Desviando-me um pouco do assunto, quero exemplificar o que afirmo ser uma questão de ótica. Quando entramos num banheiro qualquer, o que invariavelmente vemos? Um espelho, uma pia, chuveiro, papel higiênico e um vaso sanitário de louça. O banheiro é um lugar incrivelmente democrático. É onde todos somos iguais. Até mesmo o presidente dos Estados Unidos está obrigado a se posicionar diante do vaso sanitário. Parece até algum culto secreto e misterioso né? Os adoradores do deus vaso. Mas curiosamente percebi há alguns anos como esta simples peça de louça (que curiosamente foi eleita por muitos cientistas como a invenção do milênio passado), revela o conhecimento trazido pela glória de Deus ao mundo. Pois é. Deus ensina o homem a fazer cocô na Bíblia. Faz sentido pra você? Então me acompanhe. Deuteronômio, capítulo 23, versículo 12 de 13 diz:

“Também terás um lugar fora do arraial, para onde sairás. Entre os teus utensílios terás uma pá; e quando te assentares lá fora, então com ela cavarás e, virando-te, cobrirás o teu excremento;”

Profundo né? Mas desde que conheci este texto, fiquei angustiado tentando discernir o que Deus quis dizer com este “mandamento”. E a conclusão a que cheguei é simples. Deus é um cara econômico e pedagógico. Infelizmente, em nossa presunção babaca, muitas vezes consideramos que somos capazes de fazer as coisas melhor do que Deus. Pois a pedagogia adotada por Ele neste caso me assusta. Ao invés de chegar para Moisés, aproximadamente no ano 2000 AC e dizer “olha… existem seres microscópicos nas suas fezes, que se depositadas próximas aos alimentos, irão fechar um ciclo de contaminação que culminará em sua morte, pois a Drogasil e seus vermífugos só serão inventados daqui uns 3900 anos”, Deus simplesmente traça uma regra, ciente de que se tentasse explicar este ciclo de contaminação ao homem, teria que aguentar perguntas do tipo “micros-que???? ô Deus… do que que cê tá falando? o que tem a ver meu cocô com morrer?”. Curiosamente as famílias que desobedeceram este mandamento específico devem ter morrido mesmo. Culpa do “pecado”. Ou dos vermes…

Mas agora este mandamento caiu em desuso. O próprio Cristo afirmou que nem um “til” cairia da lei. Mas que sua vinda possuía o propósito claro de cumprir as escrituras. Como no mandamento “amarás o teu próximo e odiarás o teu inimigo”. Jesus trouxe uma revelação de que, se amarmos ao próximo e também aos nossos inimigos, seremos não apenas cumpridores da lei, mas a excederemos em zelo e virtude, pois o propósito de toda a lei é o amor. De maneira semelhante, nos últimos 200 anos tivemos o privilégio de entender como funcionam os ciclos dos vermes que traziam doenças que até então eram misteriosas, provocadas pela falta de higiene e saneamento básico. É como se O PROPÓSITO DA LEI tivesse se materializado fisicamente na forma de uma peça de louça que fica escondida em um canto do banheiro. Não sei o que você pensa ao entrar em um banheiro… mas eu afirmo que vejo a GLÓRIA DE DEUS materializada.

Insisto no assunto da ótica, citando o texto em que escrevi sobre o Transtorno de Déficit de Atenção. Muitas pessoas concordaram comigo e demonstraram sua satisfação em encontrar alguém que concorda que este papo furado de “você tem um transtorno” é apenas uma questão de ponto de vista.

A reflexão para o dia é sobre até quando viveremos uma vida marginal, enxergando a superficialidade das pessoas, coisas e circunstâncias, enquanto desprezamos que por mais que algo possua a aparência de verdade, pode não ser.

Será que nossa busca por enxergar as coisas não está restrita demais? Temos verdadeiramente buscado este “colírio espiritual”? Por que uma pessoa que afirma que tudo o que existe é o “visível”, é considerada como portadora de uma visão “aberta”, enquanto os que vêem além das aparências são estereotipados como indivíduos de visão “fechada”?

Faz sentido para você? Dá pra enxergar agora que verdadeiramente a glória de Deus se estende sobre toda a terra?

Você pode gostar...

8 Resultados

  1. Marina disse:

    engraçado como essa música do Raul é cheia de contradições. quem não tem colírio usa óculos escuro, quem não tem filé como pão e osso duro, quem não tem visão bate a cara contra o muro. e assim vivem as pessoas: fingindo outra coisa pros outras não verem uma coisa.

  2. Tibérius disse:

    Cara que experiência… Vc é profundo véio, tem que gostar de ler pra entender tudo o que vc quer dizer… Valeu…

  3. Ariovaldo Jr disse:

    Realmente escrevi muito heim… mais de mil palavras! hehehe

  4. Brenner disse:

    Muito bom Ariovaldo!parabéns pelo texto! Lembro de vc comentando esses assuntos na mesa redonda também. Depois coloco no meu blog tbm (de novo…essas ferramentas…hehe)! Abraço!

  5. Israel disse:

    … Um tanto quanto exagerado nao acha?.

  6. Avelar Jr. disse:

    Profundo, Ariovaldo.
    Adorei seu texto, viu?
    Acho legal quando alguém mostra um pouco de Deus em coisas tão triviais como… um banheiro.
    Grande abraço!

  7. Prira disse:

    Cara você é mto loco, mas um louco de Deus, tipo se o cara parar pra pensar tudo isso é verdade mesmo.
    Abriu minha cabeça, sério mesmo!
    @prira

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.